O muro de Berlim e a garota rosa-choque

Hoje se comemora vinte anos da queda do muro de Berlim. É a comemoração do fim de uma das maiores cretinices humanas e, quem viveu (e eu vivi) lembra-se muito bem de como foi bonito ver as famílias se reunindo, os irmãos se abraçando, os estranhos emocionados, arrancando as lascas daquela cerca gigante que os separava.

Hoje são vinte anos de queda disso, de algo tão simbólico quanto feio, que é o fanatismo por uma ideologia recheada de preconceitos, intolerâncias e maldade.

Muito embora estejamos no ano que outra ideologia manda chamar de 2009, o preconceito, que deveria estar sepultado, ainda corre solto pelo mundo. E veio gritar sua existência, como todos sabem, aqui no Brasil. Ali em São Paulo.

A menina que usava pouco pano, ironicamente, deu pano pra manga nas últimas semanas com a fenomenal história de sua chegada na faculdade. E, o mais fenomenal, ontem foi expulsa da instituição, com direito à nota nos jornais do Brasil e até reportagem no NY Times.

Uma aberração do preconceito, do machismo e da ausência de devido processo legal virando reportagem pro mundo inteiro, enquanto aplaude a queda de um muro, vaiar a ascensão de outro bloqueio: o mental.

Só quem pensa muito, mas muito, mas muito pequeno mesmo pode achar que usar um vestido curto é mais grave que se valer de uma massa para ofender moralmente alguém que não mexeu com você. Ou mexeu?

E daí se a garota queria aparecer? Quando se publica uma nota no jornal, não seria para aparecer? Quando se constrói uma faculdade e divulga-se seu funcionamento, não é para aparecer? Eu, que tenho este blog, não estaria querendo aparecer também? E desde quando isso deve ser punido?

Na minha faculdade, que adoro, o desfile de moda é enorme e muito diverso. Não há problema. Nunca foi imposto uniforme e cada um se veste de acordo com o que tem no armário, o que tem no corpo e o que tem na cabeça.

Penso que, se a faculdade não tolera algum tipo de roupa, que não deixe a pessoa entrar no recinto com ela, que barre na porta. Aliás, como fazia o STF antigamente com mulheres que usavam calças. É para rir! “Mulheres que usavam calças”… Olha como somos machistas!

Contudo, se o centro acadêmico (que deveria ser palco de lindas idéias) optou por deixar entrar a pessoa no seu recinto, não deveria nunca criticar depois sua postura, indicando que ela estava “aumentando sua exposição”. Ora! Quem já estudou sobre  responsabilidade objetiva sabe que, neste caso, a faculdade  deve arcar com as conseqüências de aceitar não só uma garota de pink (já que não lhe impõe uniforme, não encontrei lugar algum falando disso), mas também uma infinidade de acéfalos, que se misturam no vasto mundo anônimo das multidões para humilhar, denegrir e diminuir quem é diferente.

Ah, sinceramente. Isso é o cúmulo. É pensar pequeno e voltar às trevas. Francamente! Viva a diferença. Um viva para quem estava lá e não engrossou o coro do preconceito, do machismo de homens e mulheres, da inveja e da ignorância. Espero que tenham sido muitos. Tenho certeza que pessoas assim é que, há vinte anos, ajudavam a tombar aquele muro horrível da Alemanha.

 

“I don’t need no arms around me and I dont need no drugs to calm me.
I have seen the writing on the wall. Don’t think I need anything at all.
No! Don’t think I’ll need anything at all.
All in all it was all just bricks in the wall.
All in all you were all just bricks in the wall.” Pink (!) Floyd

Leia também “Geisy, a Geny unibanida”, um texto de Rosana Hermann, indicado pela minha linda amiga Luiza Voll.

Anúncios

6 Respostas to “O muro de Berlim e a garota rosa-choque”

  1. O muro de Berlim e a garota rosa-choque |  Laboratório Jurídico Says:

    […] Site: https://direitoelegal.wordpress.com/2009/11/09/o-muro-de-berlim-e-a-garota-rosa-choque/ Fonte: https://direitoelegal.wordpress.com/feed/ VN:F [1.7.4_987]Salvando…Rating: 0.0/10 (0 votes cast) Adicionar aos favoritos […]

  2. Gi Knippél Says:

    Também sou estudante de direito e esse fato é revoltante e o que mais assusta é ver que existe muita gente que concorda com o acontecido e mais, que acha justo a menina ser expulsa da faculdade. É como se voltássemos as trevas, aonde está o direito de liberdade, os direitos fundamentais do ser humano, de ir e vir.. ? Eu sinto vergonha, da faculdade, dos alunos que estavam lá, do reitor que permitiu tamanha violência. Ninguém tem nada a ver com a roupa, com os modos, com a forma de se comportar de outra pessoa, se ela queria ir de roupa curta o problema é dela, de rosa, azul, preto, o problema é dela, se com o sem calcinha o problema é só dela. Agora disseram que o reitor voltou atrás e a menina não será mais expulsa!! É uma verdadeira desordem.

  3. Fernando Ferreira Kelles Says:

    A intolerância com o critério alheio é algo que aflige a todos nós. Não ceitamos facilmente que outros tenham outras idéias, outros gostos, outras formas de viver diferentes das nossas, sobretudo quando o outro usa de uma forma indiscreta, imprudente e inoportuna de mostrar os seus “direitos”. Aprender a enfrentar com inteligência tais situações implica em saber lidar no meio de nossos semelhantes. Infelizmente é algo que poucos sabem fazer, seja no âmbito individual, familiar, social nacional e internacional. Prudência, oportunidade e discrição evitam que se desatem forças como ocorreram no episódio da UNIBAN.
    Respeitar para ser respeitado eis a questão.

  4. Karine Castro Says:

    Didi querida!
    Mais uma vez, belo post!
    Vim aqui somente para deixar minha singela opinião.
    Eu acho que [dois pontos] as pessoas poderiam procurar mais o que fazer, se ela foi de vestido longo, curto, branco, preto ou até mesmo de cabeça para baixo, ninguem tem a ver com isso! Agora o que eu não concordo é a forma que as pessoas estão lidando com isso. Fizeram um “reboliço” todo por causa disso! Gente, acorda! Tem tanta gente morrendo de fome ai no Brasil e ainda tem gente se despindo e fazendo protesto em Brasilia por causa da menina! Eu acho que tem coisas mais importantes a serem reclamadas, no lugar de estar fazendo movimentos para espancar e rola rumores que queriam até estrupa-la, deveriam fazer movimentos contra os “bons” politicos que estão ai no Senado!
    Isso sim é conscientizar. Mas… pra brasileiro tudo é festa!
    Para ela, que um dia acordou pensando que seria mais um dia comum, colocou o seu vestido curto e foi para a facul, estava totalmente enganada! Virou noticia nacional e até ganhou uma música de Axé! Quanto tempo até ganhar a proposta da Playboy?!
    ha ha haa!
    E vamo que vamo!
    Bjoo Didi!

  5. Thiago Fuster Nogueira Says:

    Olá Didi tudo bem? É a primeira vez que escrevo por aqui, mas venho acompanhando o blog há algum tempo, pois assim como você, também estudante de direito (4º semestre) e seu blog para mim é um oásis num deserto, um achado indiscutível e incomparável pois você consegue expressar todos os meus sentimentos, alegrias e frustrações de ser um estudante de direito.
    Quanto ao caso da garota é o que eu sempre digo: o mal do mundo é a inveja, já reparou, é sempre a mesma história:
    1) se a garota usa pouca roupa é biscate;
    2) se o homem faz academia e cuida de seu corpo é gay;
    3) se o homem tem uma mulher bonita ele é corno;
    4) se tem uma promoção no serviço é puxa-saco;
    5) se comprou um carro do ano é traficante ou estelionatário.
    Isso é o dia a dia nosso, ou seja, a pessoa incoformada com o sucesso alheio utiliza tais artifícios como uma válvula de escape para ela se sentir superior, foi o caso da garota de São Bernardo, o problema é dela, a vida é dela, ela usa a roupa que quer, onde quiser. O fato ocorrido me lembrou uma aula do 1º semestre: História do Direito para ser mais específico a famosa Santa Inquisição imposta pela igreja católica onde uma só pessoa julgava, condenava e executava, e o povo aplaudia essa violência desproporcional. Infelizmente casos como esse se repetem em meu país no ano de 2009. Não é de se estranhar que repercutiu no mundo todo e o pior, a faculdade expulsou a aluna!!! Será que ela não consultou um advogado, um professor de direito, até um estudante de direito saberia que tal ato além de ser moralmente condenavél fere de morte o art. 5º caput, CF. Enfim mais uma tragédia que eu espero que não se repita novamente. Muito obrigado pelo espaço, pelo blog também abraços e a té mais.

  6. Beleza Sustentável ® Says:

    Nós Mulheres e Homens – Belos e Sustentáveis – amamos o Direito é Legal, sempre visitamos o Blog e ficamos horas lendo e nos atualizando.

    Hoje aproveitamos para convidá-los :

    Na Semana da Mulher, acontece o Evento Beleza Sustentável® 2010 no HSBC Brasil em São Paulo, SP.
    Considerado o mais importante Evento de Bem-Estar e Beleza do Brasil, o Beleza Sustentável reune pessoas ( público 100% formador de opinião ), empresas e colaboradores, marcas e produtos que mais se destacam quando o assunto é sustentabilidade, e conta com a presença de renomados palestrantes – 15 já com presenças confirmadas, especialistas
    nas áreas de Saúde Física, Mental, Financeira e Consumo Consciente, Estética, Plástica e Beleza, Alimentação Saudável, Esportes e Fitness, Recursos Humanos, Ensino e Educação, Responsabilidade Sócio-Ambiental, Comunicação e Marketing.
    Beleza Sustentável® 2010 é um evento inovador que marcará a vivência das pessoas e das empresas que buscam, além de uma atuação socialmente responsável, contribuir para o Desenvolvimento Integral do Bem-Estar, Beleza e Saúde de todos, das gerações atuais e futuras.

    Apoie o Evento, Patrocine e Participe do Beleza Sustentável 2010. Esse acontecimento acrescentará resultados positivos a sua vida :

    Inscrevam-se pelo Ingresso Rápido :

    http://201.77.198.54/ingressorapido.com.br/Evento.aspx?ID=8927

    http://www.belezasustentavel.com.br

    MSN e Contato : belezasustentavel@hotmail.com

    Faça parte das nossas comunidades no Orkut, no Vila Mulher, no Limão, no Twitter, My Space e Facebook.
    É só digitar na busca o perfil : belezasustentavel.

    Abs e aguardamos vocês !

    Equipe do Beleza Sustentável 2010

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: