Nós bo-bos

O texto abaixo foi escrito para outro blog que alimento, mas pode ser de interesse também dos leitores deste. Espero que goste.

Existe um conceito na França que é o de bourgeois bohème, com tradução para burguesia bohêmia. Esse conceito, na verdade, é múltiplo, pois tem diversas interpretações.

Uma de suas interpretações pode ser comparada ao da « esquerda festiva » que muitas vezes é utilizado para designar aquela pessoa rica, bem de vida, mas que adora zombar dos também ricos, chamando-os de alienados, politicamente analfabetos e imputar-lhes a obrigação de distribuição de renda, quando ela mesma, está lá viajando de avião todo feriado. É quase que o sujo falando do mal-lavado. Este tipo de bourgeois só gosta de filme iraniano  e se recusa a falar inglês. Adora comentar que Jô Soares só fala de sexo, mas alucina com a carreira do Woody Allen.

Essa interpretação engloba a elite que fala mal de si mesma julgando-se melhor que os demais da elite porque ela não se vê como elite, mas como trabalhadora e merecedora da grana que tem para fazer o que quiser. É o tipo de pessoa que sente que é mais boazinha que as outras porque se recusa a usar salto alto.

Daí que a gente possa concluir que o mundo começou a se desentender feio quando um grupo de pessoas passou a se considerar mais trabalhador que outro. Como se não fossem todos os trabalhos importantes. Inclusive, se apropriaram do adjetivo « trabalhador » para designar apenas um tipo de trabalho. O trabalho intelectual deixou de ser um trabalho de trabalhador, mesmo que seja o trabalho de muitos bo-bos. E mesmo que seja também um trabalho muito difícil.

Aí a guerra continuou quando a pessoa que oferecia o emprego (ou o trabalho !) passou a ser considerada a inimiga e, o pior, muitas vezes, assumiu este papel e se tornou realmente a vilã da história. « Não quer trabalhar 12 horas por dia ? Tem uma fila de gente querendo ! », que cliché.  Cara, você tinha a chance de ser um exemplo de líder e escolheu ser apenas um carrasco…

O Bourgeois Bohème, ou bo-bo, como é conhecido na pátria dos bo-bos (a França) é um conceito em transformação. Para esta primeira interpretação, o bo-bo nunca viveu o excesso de trabalho. Ele saiu de casa aos 20 anos, mas só precisou trabalhar aos 25. Quando machucou o joelho, ele teve duas semanas de licença. Quando ficou cansado, ele viajou o mundo com o dinheiro do seguro-desemprego. Quando lhe dá vontade, ele gasta três ou quatro cifras de euros com vinhos e também não poupa com drogas ilegais. Ele se julga esperto por ser diferente, mas não suporta idéias diversas às suas. O bo-bo festivo adora jogar lagostas vivas na água fervendo enquanto reclama das crueldades do capitalismo. Pelo sabor da comida, vale tudo, o prazer de comer é o que importa para ele.

Do outro lado da mesma palavra, existe a nova categoria de bo-bos. E é um bo-bo mais legal! Ele não deixa de ser um utópico, mas é aquela criatura que tenta encontrar prazer no trabalho. É o pequeno empresário que tenta negociar com honestidade porque adoraria que todo mundo seguisse seu exemplo. É o cara que gosta de unir grupos diferentes porque seria bom que todo mundo fosse amigo. É a musicista que não come proteína animal, o arquiteto que faz tudo de barro. É o advogado que se desloca de bicicleta e o ator que financia seus próprios filmes sobre hortas urbanas e escaladas com cabras. Esse grupo de bo-bos ainda não conseguiu ganhar tanto dinheiro quanto os primeiros bo-bos, mas é um grupo que tem na herança uma « margem para tentar e errar » e vem ganhando adeptos no mundo todo. O bo-bo utópico não é consumista e prefere uma casa pequena e uma cidade linda ao condomínio de luxo do bo-bo festivo.

Mas o bourgeois bohème do primeiro exemplo não é exceção. Ele vive em cada um de nós. Cada um de nós que tem um teto para morar e um facebook para compartilhar o nosso lado politicamente correto. Cada um de nós que tem um blog e uma birra do ex-patrão que publicou um livro com seus textos e não te pagou. Cada um de nós que não está verdadeiramente trabalhando para ajudar ninguém, que faz ativismo de rede social e se considera revolucionário. Cada um de nós que espera que a solução venha dos outros enquanto a gente aumenta nossas horas de repouso para não ter rugas tão cedo. Que xinga presidente e xinga candidato com a mesma boca que toma coca-cola.

Esse nosso eu-bo-bo, a gente bem que podia tentar mudar !

Ser bo-bo é uma coisa nova no mundo. E ainda um ser em observação. Mas ser bobo é um conceito consolidado há tempos. E, por incrível que pareça, é também uma escolha pessoal. Boa sorte pra gente!

 

“Como são admiráveis as pessoas não conhecemos bem”- Millôr Fernandes

Anúncios

Tags:

3 Respostas to “Nós bo-bos”

  1. janete clara Says:

    adorei o artigo nao sabia dessa origem!

  2. Patricia Guimarães Says:

    Navegando por blogs jurídicos encontrei o seu, gostei das abordagens, depois dá uma passarinha no meu é http://vialegal.blogspot.com

  3. Patricia Guimarães Says:

    passadinha* rs

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: